Não sou apenas isso...

Jamais serei apenas essas breves palavras sentidas, palavras escritas, palavras visuais, palavras ouvidas, palavras pensadas, palavras ditas, ou palavras lidas, pois dentro desse Ser, que chamam pela vibração Ursula, existe algo de muito belo que sempre gostei de compartilhar. E esse 'algo de muito belo' toma forma com o compartilhar do meu sorriso, meu amor, minha vibração, principalmente quando com alguem que está vibracionalmente respondendo. Toda essa troca é alimento necessario para a alma, que habita esse corpo eternamente aprendiz!

04/Maio/2010

A falta. A busca.

Acordar, me permitir, me entregar, e de repente a busca daquilo que realmente falta.O carinho real, e não apenas o desejo. O sentimento, e não o pensamento. Ir além do pensar. Ficar na cabeça apenas nos deixa mecânicos e a todo momento buscando, querendo algo que a cabeça apenas interfere mentirosamente. A farsa de um sentimento mental ou apenas corporal. O coração foi deixado de lado e se vê minguando em lágrimas que buscam...um amor inteiro, que respeita e aprecia sem ser dentro de seus próprios padrões - da maneira que a mente quer. Sinto falta da Ursula que sabia mais com o coração e esperava mais com o coração também. Saudades de um alguém ao meu lado que me valorize pelo que sou como essência, e não o que se espera que eu seja mentalmente. Julgamos a nós mesmos. Julgamos o outro. Um ciclo de destruição de qualquer possibilidade mais amorosa. Julgamos dentro do que imaginamos ao invês de querer ver além dessa imaginação ilusória. Saudades de alguém que ainda ei de descobrir. Onde? Não sei. Muito provável que dentro de mim mesma. A busca. Novembro/2015

Every experience is a gift.

"Every experience is a gift. Every breath a blessing. Treasure every moment."
Na última 2a feira, 21 de Setembro 2015, Jo Vaani, como era conhecida, deixou esse plano - com apenas 36 anos - após diagnosticada com câncer no estômago em Julho 2015. Uma das vozes mais doces que já escutei em kirtans. Ela com seu marido Edo cantavam pelo mundo afora, e ficaram conhecidos como "Edo & Jo". Compartilho um dos últimos CDs.


Se você acha que é mais 'espiritual'...

“Se você acha que é mais “espiritual” andar de bicicleta ou usar transporte público para se locomover, tudo bem, mas se você julgar qualquer outra pessoa que dirige um carro, então você está preso em uma armadilha do ego.

Se você acha que é mais “espiritual” não ver televisão porque mexe com o seu cérebro, tudo bem, mas se julgar aqueles que ainda assistem, então você está preso em uma armadilha d
o ego. 

Se você acha que é mais “espiritual” evitar saber de fofocas ou noticias da mídia , mas se encontra julgando aqueles que leem essas coisas, então você está preso em uma armadilha do ego. 

Se você acha que é mais “espiritual” fazer Yoga, se tornar vegano, comprar só comidas orgânicas, comprar cristais, praticar reiki, meditar, usar roupas “hippies”, visitar templos e ler livros sobre iluminação espiritual, mas julgar qualquer pessoa que não faça isso, então você está preso em uma armadilha do ego. 

Sempre esteja consciente ao se sentir superior. A noção de que você é superior é a maior indicação de que você está em uma armadilha egóica. O ego adora entrar pela porta de trás. Ele vai pegar uma ideia nobre, como começar yoga e, então, distorce-la para servir o seu objetivo ao fazer você se sentir superior aos outros; você começará a menosprezar aqueles que não estão seguindo o seu “caminho espiritual certo”. 

Superioridade, julgamento e condenação. Essas são armadilhas do ego.”

Mooji

O que é isso que eu sinto por você

O que é isso que eu sinto por você
Eu sinto
Sinto
Sinto profundamente
Sinto corporalmente
Sinto superficialmente
Sinto sem mente
Sinto com os cinco sentidos
E sem sentido
Está além do mundano
Está além desse astral

Eu já poderia ter me desconectado
Mas não consigo
ou não quero
Pode ser
mas é que eu sinto
com a mente ausente
Sem compreender
Apenas precisando estar com o seu Ser
Sem compreender
Sem compreender
Não questiono esse sentir, apenas sinto


By Ursula Jahara

Instantes.

Se eu pudesse viver novamente a minha vida, na próxima trataria de cometer mais erros. Não tentaria ser tão perfeito. Relaxaria mais. Seria mais tolo ainda do que tenho sido. Na verdade, bem poucas coisas levaria a sério. Seria até menos higiênico. Correria mais riscos, viajaria mais, contemplaria mais entardeceres, subiria mais montanhas, nadaria mais rios. Iria a lugares onde nunca fui, tomaria mais sorvete e menos sopa.

Teria mais problemas reais e menos problemas imaginários. Eu fui uma dessas pessoas que viveu sensata e produtivamente cada minuto de sua vida. Eu era uma dessas pessoas que nunca ia a parte alguma sem um termômetro, uma bolsa de água quente, guarda-chuva e um paraquedas.

Se voltasse a viver, viajaria mais leve. Se eu pudesse voltar a viver, começaria a andar descalço no começo da primavera e continuaria assim até o fim do outono. Daria mais voltas na minha rua, contemplaria mais amanheceres e brincaria com mais crianças, se tivesse outra vez uma vida pela frente.

Mas, já viram, tenho 85 anos e sei que estou morrendo....

Rubem Alves em seu Livro : "O médico", Ed. Papirus

Ciclo da 'Despedida'

E hoje, 22 de Março 2015, fechamos o ciclo da 'despedida'; A saudade, é o amor que fica.
Do sutil à matéria viva e o retorno ao sutil - e as cinzas enriquecendo uma nova matéria viva - o solo que brota roseiras, outras plantas e um Pau Brasil. Porque, de fato, a morte é nada mais nada menos que uma transformação. Nos apegamos ao Ser, mas viemos do além e é para o além que retornaremos. A transformação não pára - desde a fecundação até... Nada é estático, tudo se transforma. Boa viagem, vó Yone Jahara! Agora, enriquecendo esse solo, onde tudo começou.
CASA FAMÍLIA JAHARA
Aqui nesse espaço passei grande parte de minhas férias quando criança
Aqui, o carinho era abundante (e continua sendo)
Aqui a familia se reunia em massa
Aqui a mesa era farta
E gargalhadas (piadas sempre contadas) eram variadas
Essa casa
A casa de meus avós maternos
Meu cantinho amado em Teresópolis
Um cantinho de carinho
Um cantinho de conversas
Um cantinho de crianças agora adultos
Cada um rumo a sua própria 'verdade'
Nesse cantinho
O sabor de uma família
Com todas suas doideiras individuais
Com desencontros de pensamentos ou 'crenças'
Mas que gosta da união
Que põe o pé no chão
Que briga e gargalha junto
Que é expansiva
Que é intensa.
Viva
Essa é a minha família Jahara!
Por Ursula Jahara
05/Dez/2009
em Teresópolis

Noite de Luto.

NOITE DE LUTO. À ela, meu amor eterno.
Estamos todos aqui de passagem, e aceitar que temos um prazo nessa vida mundana, vai alem da nossa compreensão mental, racional. Aceitar a perda de alguém que amamos com tanto fervor, é praticamente inaceitável para essa nossa caixola pensante - com os sentidos aflorados. Me entrego às lágrimas dessa saudade que bate aqui e agora e será eterna, com a certeza de que essas lágrimas são uma mescla de tristeza pela perda - da presença da matéria, e de alegria por tantos os sorrisos que esse divino Ser trouxe a minha vida. Esse Ser que tive a permissão de chamar de VOVÓ - minha paixão VÓ YONE JAHARA, minha segunda mãe, mãe da minha mãe, que viverá eternamente em nossos corações. Sua força, sua maneira única de unir a família, sua grandeza como mulher, seu trabalho para ajudar o próximo carente e necessitado... YONE JAHARA é o seu nome! Choro, porque não tenho vergonha de chorar, e compartilho porque isso sim o mundo deveria estar compartilhando - AMOR verdadeiro!

27.06.1926 - 11.03.2015




yogAsanas - posturas de yoga








26 de Novembro... E lá se vão 8 anos!

26 de Novembro... E lá se vão 8 anos! Um tempo atemporal, um tempo inexistente para uma dor presente - a gente só aprende a conviver com ela. Quem nunca perdeu a mãe - ela com apenas 58 anos - não conhece essa dor. Dor que não se explica. Ou conhece ou não conhece. Se fortalecer sim, esquecer jamais. Faz parte dessa vida mundana - a gente nasce e vai caminhando para a inevitável morte. Ah, como essa mãe faz falta! Tanta coisa ela me ensinou e queria me ensinar ainda mais - do yoga, reflexologia, massagem terapeutica, renascimento, meditação, reiki, metafisica, poesia, visionaria, aventureira, viajante, corajosa, determinada.. nossa quanta coisa essa mulher mãe sabia e vivênciou - até livro ela escreveu e publicou pela editora Pensamento. Quanto amor! Quanto mãe - sempre de braços abertos. Mesmo longe, sempre esperando, sempre amando. Oh, Virginia Jahara, Ma Prem Unmani, em mim você caminha - com outras experiências, outros olhares, e similaridades em muitas coisas. Amaria estar compartilhando tanto mais contigo nos dias de hoje. Agradeço eu ter te escolhido e vc ter me acolhido.

Amor eterno! Um tempo, atemporal. Nem mesmo a morte nos separa!

"Senhor, dê-me serenidade para aceitar as coisas que não posso mudar, coragem para mudar as coisas que posso mudar, e sabedoria para distinguir a diferença." - Oração da Sabedoria

 PS: ao lado meu querido avô Victor Rage Jahara, q tb já partiu.

O MACRO é um reflexo do MICRO

Queremos, queremos, queremos. Queremos nossos direitos. Queremos a educação, a saúde, um país mais justo. Queremos acabar com a corrupção, com a mentira desenfreada, com a atitude da politicagem malandra que nos sacaneia, nos "chama" de otários, nos 'faz' sentir injustiçados com tanta roubalheira, tanto desvio de dinheiro, disso ou daquilo. Essa atitude esperta desse 'poder' que fala, gesticula, insinua, mas pouco cumpre. Que joga para baixo do tapete, que desvia, que zomba com a nossa cara. A ganância! Gritamos. Vamos as ruas para dizer "Chega! Não aguentamos mais sermos tratados assim com tanto descaso."

Falamos. Falamos. Falamos. Queremos. Queremos. Queremos. Mas nos esquecemos que o MACRO é um reflexo do MICRO. Enquanto aqui dentro, na nossa base pessoal, ao nosso redor, nas nossas relações, na nossa comunicação, nossos pensamentos e principalmente atitudes, no nosso convívio diário, nossos princípios tão falados e exigidos, mas nem sempre colocados em prática. Se NÃO MUDARMOS DENTRO - o que realmente podemos mudar? SE NÃO MUDARMOS essa nossa atitude malandra, esperta, de 'sacanear', de ser o 'fodão', de ligar o 'foda-se' nas nossas relações, nas pequenas atitudes diárias, COMO PODEMOS EXIGIR qualquer que seja a mudança a nosso favor principalmente quando nos referimos a política? O que NÓS realmente estamos ajudando para melhorar essa situação?

Gandhi já dizia, "seja a mudança que você quer ver no mundo."

Exigimos do MACRO o que nem mesmo conseguimos manter aqui nesse nosso MICRO.

Gostamos sempre de exigir, de apontar o dedo, de dizer que o problema está fora, no outro, lá longe, mas continuamos na mentalidade do 'dane-se o outro'. Minha 'liberdade' acima de tudo - liberdade de mentir, fingir, sacanear, gritar. Liberdade.... Que tipo de liberdade é essa?

PEDIR é fácil. DAR nem tão fácil, não é mesmo. Precisamos alinhar essa troca - um vai e vem, a energia que sobe e desce sem estagnar, noite e dia, sol e chuva, a respiração que é circular. Ninguém vive só de INSPIRAR ou só de EXPIRAR. O Yin e o Yang se conectam, circulam em harmonia, se complementam. Que nossas atitudes estejam alinhadas com nossas 'exigências'. E que eu não seja absorvida pelas atitudes que não me representam. Que eu mantenha minha integridade.

Quer ver uma real mudança? Mude suas atitudes.

Respeitar para ser respeitado. Doar para receber. Perdoar para ser perdoado. Amar para ser amado. Cuidar para ser cuidado. Cumprir para poder exigir. Pensar antes de falar.

"Antes de supor, conheça os fatos. Antes de julgar, entenda o porque. Antes de ferir alguém, sinta. Antes de falar, pense."

Fácil? Quem disse que é fácil?

A MUDANÇA COMEÇA DENTRO DE CADA UM DE NÓS, em nossas atitudes diárias e a cada momento.

Namastê.

Ursula Jahara
26.Outubro.2014

>> Gostou do texto? Se for compartilhar, mantenha os créditos. "Seja a mudança que você quer ver no mundo. -Gandhi."

Ouça o outro - o que ele diz e o que não diz

Ouça o outro. Escute o que o outro diz e, principalmente, o que ele não diz.

Tem horas que é difícil, eu sei.

A vida está corrida, você tem milhões de coisas a fazer e a cabeça não para por um segundo. Mas lembra daquela pessoa que fazia você ter frio na barriga antes de cada encontro? Ela não vale o esforço de respirar fundo, se acalmar e se doar um pouco?

Para ouvir o que não é dito, é preciso observar. Você tem olhado para a pessoa que você ama? Mas olhado de verdade, para seus olhos, para sua postura, para o cansaço que ela vem enfrentando ou o bom momento, cheio de energia? Às vezes nosso corpo fala muito mais do que nossas palavras. E as atitudes, então... mais ainda!

Deixe seu companheiro se sentir livre para dividir o que quiser com você. E aceite os segredos. Saber ouvir o silêncio do outro também é importantíssimo. Tem coisas que a gente não quer ou não está pronto para dividir. E o que mais precisamos é saber que tem alguém ao nosso lado que nos apoiará mesmo assim. Que nos fará um chá quente e fará um cafuné mesmo sem saber os motivos.

Perceber a existência do outro independente da nossa é um exercício que, por vezes, pode machucar. A gente se esquece que o outro não é nossa extensão, depois de certo tempo juntos. E que nossos problemas não são maiores do que os do outro. Mas notar a individualidade de quem amamos nos faz amar ainda mais. Saber-se capaz de ler quem se ama, de ouvir o que não é dito e de doar parte de si para alguém é amar. E a recompensa é sentir-se um só.

Amor não precisa de fogos de artifício, grandes cenas de cinema ou uma paz forçada. Amor precisa de silêncio e observação. Amor é cuidado, é carinho, cumplicidade e companheirismo. Aprender a amar é dar uma chance ao que o outro tem a dizer.

Fonte